A Camaleoa das Palavras lavradas com Água

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , , , | Posted on 16:53

'' song for a black swan ''


SIMPLICIDADE NA DOLCE VITA
de Cíntia Thomé



Abracei um país
Um mundo sem braços pra mim
Te vi na esquina
E fui feliz
Teu doce olhar
Perfumes pra mim
E fui feliz
Quando me deixou
No canto de mim
No canto de meus olhos
Ardia jasmim
Hoje pra mim
Essência do meu país
Ainda sou feliz
Num filme sem fim
Na esquina
prateada do olhar
Abraço você
Sinto você
Vivendo pra mim...




Cíntia Thomé

experiências lúdicas l

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 14:53


'' era uma Princesa, era uma vez... existia um anel escondido na montanha, e, nenhum Príncipe conseguia lá chegar!... era a Eterna questão do Eterno Feminino que os humanos homens e algumas mulheres '' foder*m '' e, agora a história do anel é apenas uma memória arcaica que não consegue chegar àquela que poderia devolver toda a força à Natureza... ''

experiências lúdicas

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 14:52




experiências...

Não há Poesia, há palavras

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 10:40


fotografia - Mariah - olhares.com



Palavras a perderem de vista
Não há contas à vista
É Mar o que lá está
Até apetece agarrar esta pá
E ficar a torcer o dia todo
Onde não existem os engodos
E o mundo é um Todo

Deixa-me beijar a tua Boca
Mas não deixes que as tuas Brocas
Se afincam a esta Mulher Louca
Ainda que passe o tempo a passear no Cabo da Roca
Na aventura de ver lá embaixo, mar adentro, uma Foca
Há um fantasma que me agarra sempre que fico Rouca
Destrambelha os meus cabelos com avidez Orgástica
E agarra o corpo e o Sufoca
Só me apetece gritar, não me toca, não me Toca

Palavras a perderem de vista
Que só me falta uma lista
São coisas que lá estão
Mas à porta tenho um cão
E é-me difícil dizer não
E ao fundo, está o portão
E eu na boca com o não
E mais ladra o cão

NãoSouEuéaOutra in '' Não há Poesia, há palavras ''


Grande Chatice, que prá aqui vai...

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 09:53



Tenho esta lágrima grande, no canto do olho. Tão grande, como se tratasse de um Crocodilo. Nem sei bem se as lágrimas são de Crocodilo! Acho que são de Jacaré! Grande diferença, não é? Só me apetece morder, e não sei se com dente de Jacaré ou se dente de Crocodilo! Grande diferença, não é? Dizem que o Melodramatismo é a base dos meus Olhos. Uns Olhos tão grandes, que nem o Jacaré e o Crocodilo o têm. É uma chatice, descobrir qual o animal que se iguala a estes olhos. «Hei, Animal, aparece!! Que olhos tão grandes existem que possam expressar esta imensidão absurda, e, cujas lágrimas tem aquela dimensão ‘’Crocodiliana’’ ou ‘’ Jacaréziana’’.»
Parece que está tudo calado!! É normal, nesta selva absurda e humana, os animais calam-se!! Como poderiam falar, se o ‘’homem-deus’’ lhe tirou essa faculdade. Estão a perceber a dimensão do problema? É um grande problema!! Dos grandes!! O Humano não percebe nada de instinto e muito menos de emoção. Acreditam que a emoção dos humanos é toda racional?? Os Humanos decidiram o que devem sentir. Já viram o grande problema? Grande Problema!!???
Preciso de encomendar uma escavadora, neste caso para segurar aqueles répteis gigantes que estão no canto do olho. É uma ‘’trabalheira’’ carregar este tipo de lágrimas. Mas maior é o esforço para contê-las! Não há remédio absoluto para reprimir o que não se aguenta!! Estas lágrimas não aguentam nada, e se pudessem ser vertidas em contentores, concerteza, serviriam para regar uma África toda.

A minha maior dúvida, é que espécie de lágrima é esta que está no canto do olho e verte sem parar!!??

NãoSouEuéaOutra in ''desconcerto das palavras contidas nas lágrimas''

autor da fotografia acima - desconhecido

Corpo do Poema

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 09:49

(Pedra - Foto de Misha Gordin)


Chegar a Ti

Gasta-me, o caminho
Mais do que as solas dos sapatos

Sendeiro impraticável, este
Que me leva por um chegar a ti
Que nunca mais chega...

Mas mudar de alma, de coração
Como se muda de sapato, não...

Só uma alma que teima em continuar,
Mesmo quando o coração perdeu o salto
Avança, trepa, passo a passo, às cegas, sem cair

Porque reconhece as pedras
Os buracos, as esquinas
Que suga em vez de contornar

Foi caminhando que aprendeu
A moldar o sapato à dor do caminho

E chegará...

Nem que seja descalça!

(Carmen Cupido in "Corpo do Poema"

Sem piu de imagem, fotografia

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 08:03



A-Bê-Cê, de uma Lúcida Masturbação Emocional ''Suicidária''


Hoje, não me apetece pintar a realidade com imagem ou fotografia. Estou completamente preta, Preta!! Sou Preta, a mais Preta de todas as coisas do Universo. Universo esse que é Inteligente, criou-me à imagem de qualquer coisa que não tem explicação. Meu rosto, não tem boca. Não existe lábios, é apenas uma parede de carne, tão e tão só semelhante às maçãs do rosto!!! Se quiser falar, não sairá som algum. Estou presa à ignorância de não saber. Estou presa à morte de saber fim. Estou presa ao existir prestes a sucumbir. Estou presa a tantas coisas. A Liberdade, é uma Utopia gigantesca neste universo de pés de barro.
Hoje, eu sei que deveria ter escrito o Livro de Mágoas de Florbela Espanca. Sim, sou Arrogante. Uma pobre e avara arrogante que nada quer, e apenas quer descanso. Sim, os pés estão descalços, torturados; o coração está cheio de remendos mal feitos; as mãos estão calejadas de uma vida a bater na pedra. Sim, não sou uma Eleita. Sou apenas um Eleita da Tristeza que me pariu e pare a cada instante. Sim, não me chorem e nem digam, ''Ah, era uma pessoa muito interessante, disseram-me e eu a conheci. Tinha qualidades impossíveis de descrever. Tinha uma forma de vida rara. Sim , ela sabia conhecer-nos e nos levar a qualquer lugar... pena ter ido, fazia falta. Agora compreendemos. Devo-me a ela, sem ela... não teria sido... é isso, não teria sido!! Reconhecemos sempre as coisas tarde demais, porque somos gananciosos. Apenas, fomos treinados para acreditar em outros caminhos. Sim, somos uns porcos, tivemos o descaramento de cagar na sua porta, passeamos-nos como se fossemos Ilustres Pessoas. Cuspiamos sorrateiramente, e apenas levávamos beijos aqueles que não nos pisavam, ou aquele que não nos acordava. Quem nos acorda, detém de alguma forma Poder sobre nós. Quando acordamos, sentimos-nos no direito de cuspir na face daquele outro. Eu não a conheci, não a conheci como esses Outros, que ela tantas vezes me falou. Eu a conheci, quando ela já estava toda desfigurada. Tinha uma tristeza profunda nos olhos. Doía, só de olhar para eles. Custa-nos a admitir que fomos parte do plano para a destruir. Não fomos tão grandes, quanto quisemos mostrar!!''...

Não, não venham com histórias. Dispenso as vossas demagogias. Todos, embora, queiram disfarçar, sabe-se o que se esconde por detrás de certas escolhas. A Verdade é algo que nunca gostou muito de se esconder, ao contrário da mentira que tem uma séria paixão pelo esconde-esconde. Sabe-se que o Vigário e a Esperteza andaram sempre de mão dada, e que quem ambiciona calado aquilo que desdita pela frente, torna-se Vigário e co-liga-se à Esperteza para atingir o seu fim, e que é sempre egoísta. O Vigário é servo do Ego. O Ego, ambiciona Fama, Reconhecimento, Poder, Dinheiro. Tudo isso não é difícil de se ver, quando os acontecimentos sucedem. Ninguém resiste. O Escravo da Sociedade de Poder, não resiste a desmascarar-se. Desmascara-se como, funcionando de forma a contradizer aquilo que proclamava. Geralmente, ouve-se isto, ''Não. Eu não desejo aquela posição, ou aquele Yate. Eu detesto aquele tipo de pessoas...'' e por aí continua a senda de desaprovações daquilo que não seria ou não gostaria ou que evitaria.
É um desafio, acreditar nas pessoas e confiar ainda mais. Já que podemos acreditar sem confiar. Maior desafio é saber que o Homem é Mau. A sua verdadeira natureza é corrosiva. Poucos nesta vida são de facto Messias, Santos, Hierofantes...



da normalidade esquisita

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 12:17



(…) As palavras, como-as como quem come asas de frango. Dizem que nasci burra, com dois caracóis na cabeça. Apesar destes ‘’ azares ‘’, não percebo porque sou uma aclamada modelo de passerelle. Alguma coisa não funciona bem!! Mas sou demasiado preguiçosa para procurar saber, digo-vos. Já basta a ‘’passeata’’ em frente a uma meia dúzia de idiotas. Isto puxa muito pelo cérebro. E, ainda dizem que sou estúpida!!! Estúpidos são estes macacos a comerem-me o cu, sempre que tenho que colocar aquele bikini mais ousado!!! Sempre que vejo aqueles olhos de carneiro mal morto e excitados - sentados naquelas cadeiras -, grito de boca fechada, ‘’Ooooh my god goooooddd, cheat!!! Cheeeeat!!! Where is the shot gun?? Where???’’ (…)

NãoSoueuéaOutra in ‘’ como fisgar modelos burros ‘’

Coelhos coelhos, homens à parte!!

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 21:59


Ora, nem mais!!!

Madame La Chatte, ousando comer a torneira

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , , | Posted on 23:37


Madame La Chatte

«… A Gata gosta dos telhados. Ela sobe sempre ao mais alto dentre eles. A Gata é a Bandarra do Trono, ela conhece-lhe as comissuras e os âmagos ao esmero. Ela sabe que, sob as telhas, moram os demais, ela sabe que, sem permeio e sob a Lua moram os seus pares, insubmissos incoerentes. A Gata reina no mais alto dos Tronos de cada casa.
A Gata, outrora, bem-fadou a Raposa. Por percalço, doou-lhe o espírito vivaz e sinuoso. A Gata aliou-se à Grande Loba-Mãe quando os predadores legislavam ao som das suas mandíbulas consanguíneas. A Gata tornou-se Loba e a Loba virou Lua na mais fosca das serranias. Solitárias viveram ambas até ao crescente giboso que tudo mudou.
A Gata ama os Corvos, ela devora-lhes os cânticos. Ela delira com as suas asas enfeitadas de plumas negras que resplandecem sob qualquer dos luares !!!...
A Gata sonha com crocodilos insanos onde, em pesadelos divinatórios, ela é tragada em lamacentos poços de água salgada. A Gata abomina répteis.
A Gata tem no número 616 a sua forma ectotérmica, ele leva-a ao mais abismal dos oceanos. Aí, ela não sobrevive. A Gata apenas irradia junto de telhados.
A Gata é devota da Mulher, venera-lhe o sexo.
A efígie da Gata é uma lua balsâmica avistada no meio duma bruma nocturna a partir do centro de um doicoságono feito de petrificados portais imemoráveis e engolidos por heras alforriadas.
A Gata é a bruma excelsa que nos lacrimeja os olhos. Ela é o Arcano XIII atribuído à Humanidade…
A Gata simboliza o ideograma que nos transmite a chegada do Término para o recomeço do Princípio…»,


por SÜBÜGÄTÄI KONII, in “Amor canibal” – 2009

a divisão

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 23:31

'' se o tempo é o único que temos, porque somos nós dentro dele... então sejamos o tempo inteiro e não mais na divisão... ''

História do RocK

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 23:06




História do RocK (Parte I/III)




Janeiro de 2005


“Rock’n’roll é tão fabuloso, as pessoas deviam começar a morrer por ele. (...) As pessoas simplesmente devem morrer pela música. As pessoas estão morrendo por tudo o mais, então por que não pela música? Morrer por ela. Não é bárbaro? Você não morreria por algo bárbaro? Talvez eu deva morrer. Além do mais, todos os grandes cantores de blues morreram. Mas a vida está ficando melhor agora. Não quero morrer. Quero?” - Lou Reed (ex-Velvet Underground)

ROCK’N’ROLL – COMO TUDO COMEÇOU

Como não poderia deixar de ser, a história do rock começa com um grito: o grito do negro, que veio para a América como escravo e influenciou a sociedade norte-americana com a sua musicalidade. Em fins de 1950, nos Estados Unidos, a chamada “geração silenciosa”, marcada pelo fim da Segunda Guerra Mundial, viu-se frente a um ritmo até então desconhecido, derivado da sonoridade de um povo marginalizado. O primeiro grito negro cortou os céus americanos como uma espécie de sonar, talvez a única maneira de fazer o reconhecimento do ambiente novo e hostil que o cercava. À medida que o escravo afundava na cultura local - representada, no plano musical, pela tradição européia – o grito ia se alterando, assumia novas formas.(MUGGIATI, 1973, p. 8) Antes de definir o rock, é preciso considerar o nascimento do blues - resultado da fusão entre a música negra e a européia. Este ritmo se encontra nas raízes musicais dos primeiros artistas de rock e sua denominação decorre da palavra “blue”, que em língua inglesa também significa “triste”, “melancólico”. Assim, essa nova música “doce-amarga” se transformou na principal base para a revolução sonora da década de 50. No entanto, é preciso enfatizar que, além do grito negro e das notas melancólicas do blues, a dança e, principalmente o som das guitarras elétricas, foram fatores essenciais para a caracterização do rock. Neste ponto é que se encontra uma variação do blues: o rhythm and blues. O ‘rhythm and blues’ é a vertente negra do Rock. É ali que vamos buscar, quase que exclusivamente (e só digo quase por espírito científico), as origens corpóreas do Rock. Reprimidos pela sociedade ‘wasp (white, anglo-saxon and protestant)’, a mão-de-obra negra, desde os tempos da escravidão, se refugiava na música (os blues) e na dança para dar vazão, pelo corpo, ao protesto que as vias convencionais não permitiam. (CHACON, 1985, p. 24) Caracterizado como uma versão mais agressiva do blues, o rhythm and blues se formou a partir da necessidade dos cantores em se fazer ouvir nos bares em que tocavam, já que os sons dos instrumentos elétricos exigiam um canto mais gritado (MUGGIATI, 1973). Ainda assim, para a consolidação da primeira forma do rock - o rock’n’roll - houve também a fusão com a música branca, a chamada country and western (música rural dos EUA). Chacon (1985) compara esse gênero ao blues, na medida em que representava o sofrimento dos pequenos camponeses, o lamento. Os principais atingidos pela revolução sonora do rock’n’roll foram os jovens, inicialmente nos Estados Unidos e depois no mundo todo.

Nos primeiros anos da década de 1950, estes jovens se encontravam em meio a disputas entre o capitalismo e o comunismo (a guerra da Coréia em 1950) e a uma valorização do consumismo, da modernização, fruto do progresso científico gerado no pós-guerra. Nessa época, a tradicional sociedade norte-americana passou a ser contestada pelos jovens, os quais foram rotulados de rebeldes sem causa. Os filmes de Hollywood representavam a alienação jovem; o personagem de James Dean, no filme Juventude Transviada (1955), representava o comportamento adotado pela juventude: recusar o mundo sem no entanto chegar a uma visão crítica da realidade, divididos entre amor/pacifismo e violência/autodestruição. (MUGGIATI, 1973) No entanto, mais do que o cinema, a música se firmou como o canalizador das idéias contestatórias dos jovens, frente à insatisfação com o sistema cultural, educacional e político. E o rock’n’roll era o ritmo que ditaria esse comportamento. ...a vibração negra, sua voz grave e rouca, sua sexualidade transparente e seu som pesado agora alimentado pela guitarra elétrica, tudo isso parecia bem mais atrativo a milhões de jovens, inicialmente americanos mas logo por todo o mundo, que pareciam procurar seu próprio estilo de vida. (CHACON, 1985, p. 25) O rock’n’roll, afinal, surgiu na América como um movimento da contracultura, visto que suas primeiras manifestações eram contrárias aos valores até então veiculados: “(...) figuravam convites à dança e ao amor (não necessariamente ao casamento), descrições de carros e de garotas, histórias de colégio e dramas da adolescência...”(MUGGIATI, 1985, p. 19-20) Em 1954, Bill Haley and his Comets, com a música (We´re Gonna) Rock around the clock, levou os jovens a ingressarem nesse novo ritmo – que no início era apenas um modismo - a partir da expressão contida no título da música, ou seja, dançando sem parar (around the clock). Esta música, que lançou Bill Haley para o sucesso mundial, também fez parte do filme Blackboard Jungle (Sementes de Violência).

A denominação deste novo gênero, que revolucionou a maneira de fazer e ouvir música a partir de 1950, veio de um disc-jockey norte-americano, Alan Freed, que se inspirou em um velho blues: My daddy he rocks me with a steady roll (Meu homem me embala com um balanço legal). Ele foi um personagem importante para os primeiros momentos do rock, já que passou a divulgar ‘festinhas de rock’n’roll após o programa de música clássica que mantinha em uma rádio em Ohio. Tudo começou quando foi convidado por um amigo a visitar uma loja de discos em que viu vários jovens dançando ao som de uma música que até então ele nunca havia parado para ouvir: o rhythm and blues. (MUGGIATI, 1973, p. 36) O rock é muito mais do que um tipo de música: ele se tornou uma maneira de ser, uma ótica da realidade, uma forma de comportamento. O rock ´é´ e ´se define´ pelo seu público. Que, por não ser uniforme, por variar individual e coletivamente, exige do rock a mesma polimorfia (...)Mais polimorfo ainda porque seu mercado básico, o jovem, é dominado pelo sentimento da busca que dificulta o alcance ao porto da definição ( e da estagnação...) (CHACON, 1985, p. 18-19) Assim, o ritmo dançante da música de Bill Haley contagiou os jovens e também levou muitos outros artistas a seguirem seus passos. Ele adaptou o ritmo do swing (ritmo dançante) ao som das guitarras elétricas e transformou (We´re Gonna)Rock around the clock no hino oficial do rock’n’roll. Depois de Haley, outros artistas da década de 50, como Chuck Berry, Little Richard, Buddy Holly e Jerry Lee Lewis também marcaram presença na história do rock’n’roll. A música do ex-trombadinha negro, Chuck Berry, foi inclusive inspiração para outros artistas que apareceram no cenário do rock anos mais tarde. Johnny B. Goode, de autoria de Berry, é até hoje ouvida e tocada por muitos amantes do rock em geral.

Um dos artistas mais importantes dos primeiros anos do rock’n’roll foi Elvis Presley. Como explica Chacon (1985), “só um símbolo sexual, devidamente municiado pelos melhores autores e ‘cantando e suando como um negro’ poderia transformar aquele modismo numa verdadeira revolução”. A sensualidade presente na voz rouca e na sua maneira de dançar, que transformaram Elvis numa superestrela do rock, tornou-o um exemplo clássico da influência negra sobre a sociedade branca norte-americana – aspectos para os quais Chacon (1985) chama a atenção. Além disso, sua história também tem pontos em comum com a de outros artistas: vidas atribuladas, envolvimento com drogas, relacionamentos desfeitos e um triste fim. Estes foram também alguns dos ingredientes das vidas de Jerry Lee Lewis, que teve muitos problemas com bebida e se casou várias vezes ou de Buddy Holly, que morreu ainda jovem em um desastre de avião. O envolvimento com drogas e a vida atribulada dos artistas de rock ficaram marcados como algumas das características do gênero; a vida dos artistas citados acima demonstra que isso começou ainda nos primórdios do rock’n’roll. “O Rei do Rock” Elvis Aaron Presley nasceu em 8 de janeiro de 1935, em Tupelo, Mississipi, em um casebre de dois cômodos. Seu irmão gêmeo, Jesse Garon, morreu ao nascer. Talvez levada pelo sentimento dessa perda, a mãe de Elvis, Gladys, idolatrava o filho.

Desde criança, Elvis interessava-se pela música; aos oito anos ganhou da mãe sua primeira guitarra. Ele ia com seus pais à igreja freqüentemente e adorava música gospel, o que o fez entrar para um coral. Além da música que ouvia na igreja, Elvis tornou-se um ouvinte assíduo de rádios que tocavam blues e r&b(rhythm and blues). Em 1948, Elvis mudou-se com a família para Memphis, onde seu pai arranjou um emprego de caminhoneiro. Como não se preocupava muito com os estudos, Elvis contentava-se em garantir o mesmo emprego de seu pai, mas continuava a interessar-se por música. No último ano escolar, o até então tímido Elvis Presley começou a chamar atenção. Ele levava o violão para a escola (chegou a ganhar um concurso de talentos) e adotou um estilo de cabelo diferente, mais comprido, além de usar roupas vistosas e multicoloridas. Foi quando conseguiu um emprego como chofer que percebeu a chance para uma reviravolta na sua vida: Naquele verão, em seu novo emprego (...) para umacompanhia de eletricidade, Elvis estacionou durante a hora do almoço diante do número 706 da Union Avenue, em Memphis. Pagou quatro dólares e saiu com o único exemplar do primeiro disco de Elvis Presley, um acetato de dez polegadas com uma canção em cada lado.” (MUGGIATI, 1985, p.30) Este primeiro disco que gravou pela Sun Records não impressionou o dono da gravadora, Sam Phillips. Mas quando ele juntou-se ao guitarrista Scotty Moore e ao baixista Bill Black, uma brincadeira de estúdio chamou a atenção de Phillips, que os mandou continuar com a gravação. Essa brincadeira era a música That’s all Right (Mama), do bluesman negro Arthur “Big Boy” Crudup e virou o primeiro sucesso comercial de Elvis Presley. A partir daí iniciaram turnê pelos Estados Unidos. A gravação de That’s all Righ (Mama) representou a “síntese da música blues e country que deu origem ao chamado ‘rockabilly’ (...) uma criação de Elvis Presley, que combinou o estilo vocal rouco e emocionado e a ênfase no ‘feeling’ rítmico do blues...” (Friedlander, 2002, p. 70) O guitarrista Scotty Moore também contribuiu para esse estilo, ao misturar o estilo country de tocar com a nota sustentada do blues. O sucesso do rock’n’roll fez com que as grandes gravadoras procurassem novos artistas. A RCA, percebendo o efeito de Elvis nas platéias, pagou à Sun 35 mil dólares pelo último ano de seu contrato. Assim, Elvis Presley caiu nas mãos do “coronel” Tom Parker. Como aponta Friedlander (2002), Elvis não era o mais talentoso instrumentista ou compositor, mas ele teve “o momento” e “a equipe”, o que fez toda a diferença. A brilhante capacidade de Tom Parker para divulgação e gerenciamento da carreira de Elvis foi essencial para sua transformação em “Rei do Rock”. Assim, seguiram-se centenas de discos, dezenas de filmes e longas turnês, embalados pela histeria das fãs que não resistiam à sensualidade de Elvis. Em 1956, ele gravou Heartbreak Hotel e I Want You, I Need You, I Love You. As duas músicas conquistaram o primeiro lugar das paradas de sucesso, sendo que no final deste ano, o domínio era literalmente seu. Don’t Be Cruel e Hound Dog formavam um compacto duplo que chegou ao primeiro lugar. Entretanto, gradativamente Elvis ia perdendo sua vida própria, sendo cada vez mais manipulado para fins comerciais. No final dos anos 50, Elvis alistou-se no exército, quando teve seu cabelo – “um dos símbolos da masculinidade roqueira’ – cortado. “Impulsionado pela imagem de Elvis, ‘o patriota’, sua fama (...) aumentou, inclusive entre os adultos”. (id. p. 73) Durante o período em que se alistou, Elvis perdeu a mãe, fato que muitos consideram nunca ter sido superado por ele. No início dos anos 60, enquanto o rock’n’roll seguia seu curso, Elvis resolveu gravar “baladas água com açúcar”, como It’s Now ou Never e Are You Lonesome Tonight?. Nesta época, ele não dominava mais as paradas, deixando até mesmo de apresentar-se em público e perdendo a postura de “roqueiro rebelde”. Em 1968, Elvis volta aos palcos, mas estava exausto. A partir de 1970, seu comportamento autodestrutivo começou a preocupar alguns de seus amigos. Elvis havia engordado bastante (tinha que fazer dietas para apresentar-se em público) e estava usando tantas drogas, que chegou ao ponto de não conseguir levantar da cama em certos dias. O depoimento de um amigo constata que “seu corpo não funcionava mais como o de um ser humano normal. (...) Ele era uma farmácia ambulante”. (id. p. 75) Essa fase também representou o isolamento de Elvis, que vivia fechado em sua mansão em Graceland. Em 16 de agosto de 1977, seu organismo esgotou-se, e ele morreu no banheiro de sua mansão, com pelo menos dez tipos de drogas circulando pelo seu corpo. Até o final de sua carreira, Elvis Presley emplacou 107 canções de sucesso, o que representa um recorde – os Beatles ocupam o segundo lugar com a marca de 48 canções. Até hoje considerado por muitos o “Rei do Rock”, a importância de Elvis reside no fato de foi ele quem solidificou o rock como um estilo de música popular. Para a juventude de sua época, foi o representante da rebeldia, sexualidade e vitalidade.

A “Geração Beat” Em fins de 1950, o rock’n’roll já se apresentava como um produto inserido no sistema cultural. A postura de diversos setores da sociedade havia mudado em relação ao rock: se antes ele era maldito, condenado pelos setores mais conservadores, agora já fazia parte dos valores da sociedade em geral. Nessa época, o gênero sofreu um “esvaziamento”, provocado pela intensa comercialização dos discos de rock’n’roll e a divulgação de ritmos dançantes. Essa ´comercialização´, esse abrandamento do fogo do rock, repercute entre os próprios artistas negros quando à prosperidade da Era de Eisenhower promove o aparecimento de uma classe média negra que se pretende ´respeitável´ e psicologicamente embranquecida. (MUGGIATI, 1973, p. 41) Ao mesmo tempo em que o rock’n’roll se expandia, alguns músicos negros passaram a criar um tipo de música mais suave, até mesmo religiosa: “Era uma música sob medida para servir de pano de fundo sonoro à TV...”(id.) Um dos presidentes dos Estados Unidos no final da década de 1950, Eisenhower foi um herói da Segunda Guerra; sob seu governo, o país era considerado o guardião da paz no mundo, apesar da entrada na Guerra do Vietnã. Esse acontecimento desencadeou muitas manifestações por parte dos jovens, que condenavam a guerra. Por volta de 1960, um novopersonagem surge no cenário do rock, movido pelo ideal de revolução e por forte sentimento político: Bob Dylan, o “apanhador nos campos de centeio”. Como compara Muggiati (1973), Dylan é a personificação de Holden Caulfield, o garoto desajustado do livro de J. D. Salinger – personagem considerado o ponto de ruptura no modelo juvenil americano da década de 50.

Paralelamente à música de Dylan, o movimento beatnik também movimentava a América, inclusive influenciando na composição das músicas e na postura dos jovens da época. A expressão beat, segundo Mugiatti (1985, p. 61), poderia representar “batida”, “ritmo” ou também “derrotado”, “cansado”, enquanto que nik relacionava-se a “esquerdismo”, “rebelião”. Jack Kerouac e Allen Ginsberg foram importantes representantes da estética beat. A música de Dylan se encaixa em um novo “modelo” de rock que surgia no começo da década de 60: a canção de protesto. Junto com Joan Baez, uma cantora de ascendência mexicana, Dylan se tornou o porta-voz da juventude pela liberdade, contra a guerra do Vietnã e o preconceito racial. Em 1963, os dois estavam na Marcha dos Direitos Civis sobre Washington, ao lado do líder negro Martin Luther King. A música de Dylan e Baez era a chamada folk song. Ao som de violão, voz e gaita, eles se preocupavam com a poesia das letras; o importante, nesse caso, era a mensagem a ser transmitida. Uma das canções de Dylan de maior sucesso foi Blowin’ in the Wind; ele também publicou um livro de poemas, intitulado Tarantula, em 1966. Joan Baez teve uma de suas canções, Diamonds and Rust, regravada anos mais tarde por uma banda de heavy metal, Judas Priest. No entanto, a influência de Bob Dylan (vaiado no Festival de Newport por se apresentar ao som de guitarra elétrica) e Joan Baez foi se dissolvendo a partir de 1965, como explica Chacon (1985): ...parece ter sido o ano da virada. O burburinho que vinha se formando no início da década, seja no sentido Rock, seja num sentido mais amplo, tomou contornos rápidos a partir daquele ano e tornou São Francisco a nova capital do mundo juvenil. “DÁ LICENÇA, ME DEIXA BEIJAR O CÉU?” Na década de 60, as roupas coloridas, cabelos compridos e o “flower power” tomaram conta da América, mais especificamente da Califórnia, com o movimento hippie. Movidos pelo slogan “paz e amor”, esses jovens que se entregaram à ideologia do pacifismo, do amor livre e das “viagens” de LSD representaram um movimento importante para a contracultura: “o movimento hippie vai construir suas comunidades em meio a um clima astrológico que previa (...)o advento de um novo mundo”(CHACON, 1985. p. 63). Eles esperavam pela “Era de Aquário” em meio à busca pelo prazer: “...não havia lugar para a injustiça social, a degradação da natureza e a opressão humana.”(MUGGIATI, 1985, p. 41) Neste contexto, acontece o Festival de Monterey, em 1967, quando surge uma nova estrela que teria seu nome gravado na história do rock: Janis Joplin.

Essa branca do Texas, que passou a adolescência ouvindo cantoras negras de blues como Bessie Smith e Billie Holliday, “aos 17 anos abandona a família para cantar em troca de bebida nos bares de beira de estrada, seguindo a trilha errante dos cantores de blues” (MUGGIATI, 1973, p. 45). A voz rouca de Janis e sua interpretação nos palcos a tornaram uma das cantoras mais sensuais de todos os tempos; uma de suas frases confirma essa característica, mas também demonstra a sua dor ao lidar com as pressões da carreira: “Faço amor no palco com 25 mil pessoas e depois vou para casa sozinha” (id., 1985, p. 13).

Outro importante artista que deixou seu nome marcado como um dos maiores guitarristas de rock foi Jimi Hendrix. Influência para muitos outros que vieram nas décadas seguintes, Hendrix inaugurou o virtuosismo nas canções de rock; o uso de tecnologia para a distorção de sons, apresentações de contorcionismos com a guitarra e o visual extravagante foram marcas registradas deste astro do rock. Seu relacionamento quase sexual com a guitarra se assemelha à dança de acasalamento de uma espécie estranha, de uma raça interplanetária. Além das contorções corporais, Jimi joga com as distorções sonoras, arrancando notas incríveis da guitarra, envenenada por uma quantidade de novos recursos eletrônicos. (id., p. 17) No início, Hendrix formou o The Jimi Hendrix Experience, mas sua carreira se consolidou realmente como artista solo, acompanhado, muitas vezes, por outros músicos. Uma de suas canções mais conhecidas, Hey Joe, conta a história de um marido que mata sua esposa; essa música, inclusive, foi regravada nos anos 90 por uma banda brasileira, O Rappa.

The Doors foi outro grupo que surgiu em 1967 e teve uma curta, porém marcante carreira. Jim Morrison, vocalista e líder da banda, mostrava grande sensualidade no palco. Um dos interesses de Morrison, que também havia estudado técnicas cinematográficas em Los Angeles, era o xamanismo, antiga religião asiática. No dicionário, xamã significa “sacerdote mágico, que entra em transe”, e essa descrição é adequada à postura de Jim Morrison. A música The end, do mesmo disco da clássica Light my Fire, foi incluída no filme Apocalipse Now, de Francis Ford Copolla. Uma possível explicação para o nome The Doors a inspiração da banda no livro de Aldous Huxley, de 1954, The doors of perception, o qual se relacionava às sensações provocadas pelo uso de drogas. Como explica Muggiati (1973), artistas como Jim Morrison buscavam o efeito da sinestesia em suas canções – “o estímulo que atua sobre um canal sensorial parece evocar imagens de outro canal tão prontamente como se fossem sensações do mesmo ‘modo’”. Para isso, as drogas exerciam papel fundamental: “naqueles dias a vida ou corria muito rápida (como quando se rebobinava um filme) ou então tudo parava, no torpor das drogas (como em câmara lenta).” (id., 1985) Ainda houve muitos outros grupos que caracterizaram o rock de São Francisco, influenciado pela cultura dos hippies e, conseqüentemente, pelo psicodelismo. Entre eles, The Grateful Dead, Buffalo Springfield, The Byrds, The Mamas and Papas (autores da clássica California Dreamin’), Creedence Clearwater; mas um que merece destaque é o Jefferson Airplane. Como explica Muggiati (1973), o grito de guerra do Jefferson Airplane, liderado pela vocalista e compositora Grace Slick, era Feed your head! (Alimente sua cabeça). Isso demonstra uma das características do rock desta época, que, além de ser chamado de acid rock (rock-ácido), também ficou conhecido como head-music (música de “cuca”, ou de “curtição”).

Entretanto, em 1970, as mortes de importantes representantes do acid rock abalaram a ligação entre a música e as drogas: Jimi Hendrix é sufocado com seu próprio vômito, depois de uma intoxicação de barbitúricos e Janis Joplin é encontrada em seu quarto, vítima de overdose de heroína. No ano seguinte, Jim Morrison morre devido a uma parada cardíaca. Os três formaram a chamada “Santíssima Trindade Trágica do Rock”, como compara Muggiati, e marcam uma época de transição - a partir de 1970, o rock sofre uma nova mutação. A Invasão Inglesa Antes da história continuar na América, é preciso se deslocar para a Inglaterra. Desde o início da década de 1960 o país apresentava uma movimentação no cenário do rock, bandas se apresentando nos pubs (bares) londrinos. Neste contexto, os jovens protestavam contra a corrida nuclear e o passado histórico do país justificava as manifestações desta geração: “...os ingleses tinham a II Guerra, o colonialismo, o espírito vitoriano e outras imagens e culpas da História que pareciam alimentar muito mais a produtividade musical...”

(CHACON, 1985, p. 30) Musicalmente, era comum entre os artistas britânicos a referência ao skiffle, um ritmo de percussão baseado nos sons de instrumentos improvisados. Assim como na América o consumo foi supervalorizado no início da história do rock’n’roll, este também o foi na Inglaterra a partir de 1960 e mais uma vez o cinema procurou retratar esses valores. Nesta época foram produzidos os filmes da série James Bond, em que o personagem é um espião perseguindo seus objetivos a qualquer custo. A classe que ascendeu na Inglaterra foi a operária, que finalmente, sob a influência do blues, deu os primeiros passos para o surgimento de importantes grupos de rock. Inclusive, uma cidade operária – Liverpool - foi o berço de uma das principais bandas da história do rock – e talvez a principal: The Beatles. O Submarino Amarelo No início de 1956, John Lennon formou o conjunto The Quarrymen, que nada mais era do que uma reunião informa de amigos. O grupo se estabilizaria em 1960, com Paul McCartney e George Harrison como guitarristas, Stu Sutcliffe no baixo e o baterista Pete Best. Neste mesmo ano, The Quarrymen deixa de existir; em seu lugar, surge uma “banda profissional de rock’n’roll’, os Beatles. O nome foi uma combinação da palavra beetle (besouro) com uma expressão comum à época para o rock: música beat. A referência aos insetos foi uma homenagem ao grupo de Buddy Holly, chamado Crickets (grilos). Em 1962, os Beatles foram tocar em Hamburgo, Alemanha, quando encontraram o baterista Ringo Starr, que tocava com os Hurricanes. Pouco tempo depois, ele substituiria Pete Best.

Finalmente em agosto deste mesmo ano, o grupo entraria nos estúdios de Abbey Road para a gravação do primeiro compacto da banda, com as músicas P.S. I Love You e Love me Do. Nesta época, Stu Sutcliffe havia deixado os Beatles e Paul tomou a posição de baixista do grupo. Com o segundo single, Please Please Me, os Beatles alcançaram o topo das paradas britânicas. A esta altura, Brian Epstein já era o empresário da banda; sua disposição e talento em vender a imagem do grupo o transformaram no “quinto beatle”. Em 1963, apenas um ano depois do primeiro lançamento dos Beattles, a Beatlemania eclodiu na Inglaterra. Brian Epstein e o produtor George Martin, da EMI, decidem partir com a banda para os Estados Unidos, cientes da popularidade do grupo. Em 1964, os Beatles conquistam a América com I Want to Hold Your Hand. A apresentação da banda no programa de televisão de Ed Sullivan – o mesmo que tinha lançado Elvis Presley – foi a alavanca para que a mídia norte-americana passasse a publicar matérias sobre os “Fab Four” (como eram conhecidos). Ainda neste mesmo ano, os Beatles lançam seu primeiro filme, A Hard Day’s Night, em que representam a banda sendo perseguida por uma legião de fãs fanáticas. A trilha sonora do filme trouxe canções como Can’t Buy me Love e a romântica And I Love Her – a primeira de uma série de baladas de Paul McCartney.

Durante os shows dos Beatles, quase não se ouvia suas músicas, devido à quantidade de garotas que gritavam histericamente pelos músicos. A partir de 1965, o grupo passou a se preocupar mais com as composições, deixando o amor romântico de lado e empenhando-se em explorar outros temas. O disco Rubber Soul, lançado neste mesmo ano, marca o amadurecimento da banda, visível na crítica social de Nowhere Man ou nas referências abstratas de Norwegian Wood, entre outras composições deste disco. O ano de 1966 marca a primeira experiência dos Beatles com o LSD (até então, a maconha era a droga mais consumida). Revolver, lançado neste ano, confirmou a mudança de direção que apenas havia sido esboçada no álbum anterior. George Harrison aparece como um compositor importante, colocando suas referências à música indiana, como o som de cítara em Love to You. Neste disco, a dupla de compositores Lennon-McCartney praticamente se desfez, na medida em que o vocalista geralmente era o autor da canção que interpretava. Junto com a mudança de rumo da banda, também veio a decisão de parar com as turnês. Com mais tempo livre, cada beatle resolveu se isolar por um tempo. Nesse meio tempo, John Lennon conheceu a artista plástica Yoko Ono, George Harrison viajou Índia, Paul McCartney voltou a estudar artes e Ringo Starr saiu de férias. Em 1967, eles se reuniram novamente para a produção do álbum que mudaria definitivamente os padrões do rock’n’roll: o experimental Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band. Apropriadamente chamado de cabaré alucinatório (...) o álbum dá a idéia de um concerto o vivo – o barulho de público e a faixa título introdutória são seguidas pelo resto das canções, por um refrão final de Sgt. Peppers, e o bis, ou epílogo, A Day in the Life. (FRIEDLANDER, 2002, p. 135) Na verdade, este álbum foi concebido como a materialização de uma fantasia dos quatro integrantes da banda, que introduziram elementos artísticos inovadores em cada uma das canções. Ele foi composto como uma colagem, em que o trabalho do produtor George Martin foi fundamental para tornar possível as experimentações sonoras pretendidas pelos Beatles. Na música A Day in the Life, por exemplo,a banda quis introduzir no final uma nota audível somente pelos cachorros; realmente, fica a impressão de um espaço “vazio” quando se escuta esta música. A capa de Sgt Pepper’s também demonstra o experimentalismo pretendido pelo grupo; personagens admirados pelos Beatles, como Karl Marx, Jung, o Gordo e o Magro, William S. Burroughs, Aldous Huxley, amigos como Dylan, Sutcliffe e os Rolling Stones, povoam a colagem de um retrato acima de um jardim de maconha (imperceptível aos executivos da gravadora). Em agosto de 1967, os Beatles são atraídos pela meditação transcedental do guru indiano Maharishi Mahesh Yogi. Enquanto eles buscavam por uma regeneração espiritual, recebem a notícia de que Brian Epstein havia morrido, por excesso de remédios para dormir –esse fato foi como um presságio para a dissolução da banda poucos anos depois.

Com a perda de Brian Epstein – e influenciados pelos conselhos do Maharishi - os Beatles passaram a se preocupar com os negócios da banda pessoalmente. Com uma idéia de Paul, decidem lançar o filme The Magical Mistery Tour, sobre uma viagem psicodélica em um ônibus. No entanto, nem o filme, nem a trilha sonora tiveram sucesso; muitos críticos consideraram a empreitada uma “bomba promocional”. Alguns dos poucos números bem recebidos pela crítica foram I am the Walrus, Fool on the Hill e a canção título. Em 1968, os Beatles se encontram novamente com o Maharishi; eles partem com uma comitiva para a Índia, mas não ficam por muito tempo. O interesse do guru indiano por autopromoção logo veio à tona, e os Beatles compuseram a canção Sexy Sadie, em alusão a essa decepção: “’Sexie Sadie, what have you done/You made a fool of everyone’ (Sexie Sadie, o que você fez/você fez todo mundo de idiota)”. (id., p. 138) De volta para a Inglaterra, a banda resolveu se dedicar à expansão dos negócios da Apple, a empresa que haviam fundado em 1967 para cuidar do marketing dos Beatles. O primeiro projeto desta companhia foi um desenho animado baseado em uma composição de 1966, Yellow Submarine; o resultado se mostrou uma “festa colorida para olhos e ouvidos”. Em novembro deste ano, o primeiro disco da Apple foi lançado; as trinta canções do White Album, como ficou conhecido, foram acomodadas em um álbum duplo. Depois do desastre de Magical Mistery Tour, este lançamento representou o melhor momento dos Beatles após a morte de Epstein. Helter Skelter, While my Guitar Gently Weeps, Ob-La-Di,Ob-La-Da, Blackbird e Piggies, entre outras, são algumas das canções deste disco, marcado por diversidades estilísticas. No entanto, apesar deste bom momento musical, internamente as coisas não andavam muito bem. Cada vez mais os integrantes dos Beatles se afastavam um dos outros, dedicando-se mais aos seus projetos individuais. Assim, após o lançamento de White Album, a tentativa de realizar um projeto grandioso para o ano de 1969 – batizado de Get Back - não deu certo. O projeto começou em janeiro, mas as gravações foram abandonadas no dia 30, quando os Beatles promoveram um show no telhado prédio da Apple. - a última apresentação dos Beatles. O compacto Get Back/Don’t Let Me Down, com os resquícios da gravação, foi lançado em abril deste ano, para agradar aos fãs. O casamento de Lennon com Yoko Ono e MacCartney com a fotógrafa Linda Eastma, em março de 1969, foi sintomático do individualismo que se instaurou entre os membros da banda, já que refletia o desejo de cada um por interesses pessoais. Mesmo em meio a esse “clima de separação”, Abbey Road é lançado pela EMI, constituindo um fenômeno de vendas. Quando Abbey Road chegou às lojas, os Beatles já não eram uma banda; cada integrante estava mais envolvido com seus projetos solo e haviam rejeitado a proposta de uma turnê norte-americana. Como a banda ainda precisava cumprir seu contrato com a EMI, algumas canções do antigo projeto Get Back foram transformadas no disco Let it Be, que nem sequer foi produzido por George Martin. Este disco continha apenas dez músicas e representou o “amargo” fim dos Beatles, que foi anunciado oficialmente em 1970. Pedras que Rolam Entretanto, não só do sucesso dos Beatles vivia a Inglaterra.

Rolling Stones e The Who são exemplos de grupos que surgiram na década de 60 e que marcaram o rock em muitos sentidos. O verso de uma canção de blues de Muddy Waters – rolling stones gather no moss (pedras que rolam não criam musgo) -dá o nome ao conjunto fundado pelo guitarrista Brian Jones. O vocalista, Mick Jagger, torna-se o líder da banda após a saída de Jones. A influência negra é uma das marcas do grupo, além da sensualidade e uma certa androginia, características da performance de Jagger. O repertório dos Rolling Stones é um verdadeiro ‘erotikon’ e, se o grande tema de suas canções é a alienação, o assunto certamente é sexo. Não foi por acaso que um de seus maiores sucessos, a música que marcou seu estilo, se chamou ‘(I can´t get no) Satisfaction’, comentário cáustico sobre a impotência do homem moderno. Nos concertos, Mick Jagger costuma rebolar com a malícia de um travesti e manipula o microfone fálico com mil insinuações. (MUGGIATI, 1973, p. 94) Em 1968, os Stones exploram o engajamento político na música Street Fighting Man, influenciados pelas manifestações políticas de massa que emergiam. A música, composta por Mick Jagger e Keith Richards, torna-se hino dos revolucionários e é censurada pela polícia de Chicago. Diz a canção...: ‘Everywhere I hear the sound of marching, charging feet, boy/Comes summer here and the time is right for fighting in the streets, boy’. – ‘Por toda parte ouço o som de pés marchando, atacando, boy/O verão chegou e a hora é de lutar nas ruas, boy’. (...) E, no final, a canção dos Stones também tende para a solução individual em detrimento da política: ‘But what can a poor boy do/Except sing in a rock´n´roll band/Guess in sleepy London town there´s just no place for a street fighting man’. – ‘Mas que pode um garoto pobre fazer/Exceto cantar num grupo de rock’n’roll?/Pois na sonolenta cidade de Londres, não há lugar para um homem de briga-de-rua.’ (id., p. 25) A música dos Stones é da mesma época de Revolution, dos Beatles. Esta última também foi composta a partir do contexto político-social de 1968, marcado principalmente pelas manifestações de maio deste mesmo ano. Os críticos passam a analisar Revolution e Street Fighting Man e a compará-las, sendo que consideram a primeira como uma “contra-revolução” e a segunda como a “verdadeira revolução”. Mas, tanto as últimas estrofes da música dos Stones quanto uma declaração de Jagger – “Eles devem pensar que ‘Street Fighting Man’ é capaz de promover uma revolução...Eu bem que gostaria que isso fosse verdade” (id.) – demonstram que a idéia dos críticos se baseia em suposições.

Outro grupo inglês desta época que merece destaque é o The Who. A banda torna-se um exemplo claro da busca pela sinestesia e a sensualidade nas músicas. Esses dois aspectos são visíveis na ópera-rock Tommy, composta pelo guitarrista Peter Towshend. A música conta a história de um menino que nasceu cego, surdo e mudo – imagem alusiva à repressão social dos indivíduos. Os pais do garoto o levam a médicos e até a milagreiros, até que um dia ele passa por uma experiência psicodélica e tem seus sentidos liberados. Já foram realizadas várias encenações para a apresentação da história de Tommy. O refrão cantado por Roger Daltry em tom de súplica, ‘See me, feel me, touch me, heal me’ é um apelo em favor da abertura das percepções, do descondicionamento, da libertação dos sentidos. Nota-se na frase uma superposição dos diversos ‘modos’ sensoriais.” (MUGGIATI, 1973, p. 95) A performance do The Who foi o ponto que mais caracterizou o grupo inglês, um dos primeiros a destruir instrumentos no palco (não se esquecendo dos rituais de Hendrix com a guitarra). Este costume, que se tornou comum em muitas bandas de rock que despontariam anos depois, tem explicações antropológicas. Segundo estudiosos das manifestações culturais de antigas tribos, a raiz desta atitude dos artistas de rock está no potlatch. O potlatch é uma prática das sociedades primitivas que consiste na troca ou destruição de bens pelos chefes do clã ou da tribo. O líder afirma com esse gesto sua independência, mostrando maior capacidade de retribuir do que de receber. (...) desafia assim os chefes de outras tribos a negarem, como ele, a riqueza, recolhendo desse ato de aparente autodestruição um prestígio político imenso, e reforçando sua imagem junto aos seus. (MUGGIATI, 1985, p. 100) A destruição nos palcos era aceita pelo público, o que caracteriza uma nova forma de comunicação entre a banda e a platéia de seus shows. O grupo inglês passou a infundir uma nova atitude para o rock, que o tornou mais pesado e sofisticado – o que se convencionou chamar hard rock. Sob esse novo contexto, registra-se o surgimento de guitarristas herdeiros do virtuosismo de Hendrix, como por exemplo Eric Clapton e Jimmy Page, ambos fortemente influenciado pelo blues. Em fins de 1960, Clapton ingressou no Cream. Como o próprio nome indica (“creme”), a preocupação era com a elaboração instrumental, ou seja, muitas melodias e solos de guitarra bem trabalhados; o grupo alcançava os níveis sonoros de uma orquestra apenas com o som de estúdio. O Cream teve grande repercussão, sendo que em 1968, o LP Disraeli Gears era o mais vendido nos Estados Unidos. Jimmy Page tocou incialmente com The Kinks e Joe Cocker. A convite de seu amigo, o também guitarrista Jeff Beck, integra o Yeardbirds (que posteriormente se transformaria no Led Zeppelin, nos anos 70). Essa banda caracterizou-se pela presença de grandes guitarristas (Eric Clapton também havia tocado neste grupo). Page influenciou muitos guitarristas que surgiram nas décadas seguintes e também se utilizava das escalas de blues para compor músicas de rock. Ainda antes da virada 1960/1970 se firmar como a época de novas revoluções musicais, acontece a sagração da contracultura: o festival de Woodstock, entre os dias 15 e 17 de agosto de 1969. Após os acontecimentos políticos de 1968, o festival representou a convergência cultural do movimento hippie. Em um grande campo aberto em White Lake, New York, cerca de 500 mil pessoas viveram três dias de “paz e música”, embaladas pelo som dos maiores artistas de rock da época. O ingresso para um dia de Woodstock custava 7 dólares, mas a maioria do público quebrou as cercas e entrou sem pagar nada. Joan Baez, Janis Joplin, Jimi Hendrix, The Who, Grateful Dead, Joe Cocker, Jefferson Airplane, Iron Butterfly, Creedence Clearwater, entre outros, se apresentaram a uma multidão que aguardava o sonho hippie ser concretizado. Na realidade, os que vivenciaram os três dias de festival, “saíram de lá sentindo-se ungidos de santidade, como seres privilegiados de outro planeta, superior”(MUGGIATI, 1985, p.45). O evento foi documentado em um filme de mais de três horas de duração, dirigido por Michael Wadleigh “O SONHO ACABOU” Apesar de Woodstock representar a confirmação da ideologia hippie, quando a imprensa finalmente passou a se interessar pela contracultura, o ano de 1969 marca o fim da era em que se anunciava essa “sociedade utópica”. Os assassinatos da atriz Sharon Tate (mulher do diretor de cinema Roman Polanski) e do casal Labianca, cometidos por hippies fanáticos, seguidores da seita liderada por Charles Manson, abalaram o mundo e ajudaram a exterminar o movimento hippie nos Estados Unidos. ”Misturando Bíblia e Beatles em sua imaginação distorcida, Manson lhe dava uma interpretação altamente pessoal, em que se via como o agente de um novo Apocalipse.” (MUGGIATI, 1985, p. 49) Tanto na casa de Sharon Tate quanto na casa dos Labianca, foram encontradas inscrições a sangue nas paredes. No último caso, as palavras PIGS e HELTER SKELTER foram escritas com o sangue das vítimas na porta da geladeira. As palavras são alusões a duas canções dos Beatles: Piggies e Helter Skelter. Além do caso Tate-Labianca, o ex-guitarrista do Rolling Stones, Brian Jones, morre em 1968; o acontecimento antecipou a perda da tríade Janis-Hendrix-Morrison, já citada. Esses fatos resultaram em um grande desfalque para a música, tornando o fim da década de 1960 uma sucessão de acontecimentos tristes para o rock. O Festival de Altamont, que aconteceu em uma pista de corridas desativada a uns 60 quilômetros de São Francisco, vem engrossar a lista de tragédias da época. Trezentas mil pessoas, que esperavam para ver, entre outros, Rolling Stones e Jefferson Airplane, depararam-se com a falta de organização do festival, programado de última hora. Muita sujeira, drogas, doenças e quatro mortes foram os resultados de Altamont. O documentário da turnê americana dos Stones, Gimme Shelter, mostra a cena de um jovem negro que puxou um revólver e foi esfaqueado por membros do “Hell Angels” – os seguranças improvisados do evento. Manson e Altamont atingiam em cheio as duas maiores entidades do rock, os Beatles e os Rolling Stones, e mostravam como a música podia ser perigosa e desencadear forças negativas e violentas entre um público imaturo e dominado por impulsos de destruição. Assim, o mundo e a contracultura ingressaram na feia realidade de 1970. (MUGGIATI, 1985, p. 50-52) A década que se iniciava mostrava-se caracterizada por um forte individualismo, contrastando com o engajamento político e o sonho da comunidade alternativa, pregado pelos hippies. Como se não bastassem todas as mortes que ocorreram nesta época, também registrou-se o fim dos Beatles, em 1970. Em fins de 1960, houve a confluência de várias novas tendências do rock, normalmente caracterizadas pela preocupação com a elaboração sonora das canções. "O ano de 1967 é marcado no 'rock' por uma verdadeira revolução conceitual, onde o vulgar é soterrado por um 'status' equivalente a qualquer revolução de outrora (...)o fato foi que o rock intelectualizou-se" (MONTANARI, 1988, p. 66). O Rock como Forma de Arte Um dos rótulos que surgiu ainda antes da virada da década de 70 foi o rock progressivo, fortemente influenciado pela música clássica e pelas inovações tecnológicas. O grupo de maior destaque nesta categoria é o inglês Pink Floyd, mas antes deles, o Alan Parsons Project apresentava uma nova proposta de rock, em que veiculavam pelo rádio os Contos de Mistério e Imaginação, de Edgar Allan Poe. O King Crimson também inovou neste sentido, ao lançar álbuns conceituais como In the Court of King Crimson e In the Wake of Poseidon. Outro grupo que também contribuiu para o desenvolvimento do progressivo e deu o primeiro passo para a mistura entre o rock e a música erudita foi o Moody Blues. Em 1968, esta banda gravou com a Orquestra Sinfônica de Londres, inaugurando a composição de “poemas orquestrais”, em que se destacava o “forte clima descritivo das canções”. A música erudita, nesta época, teve importância fundamental para as composições de rock. Muitos músicos se utilizavam da influência de compositores como Bach ou Mozart para a elaboração de canções, expandindo as fronteiras musicais. Rick Wakeman, do Yes, possuía formação em música clássica e a utilizou nas suas canções de rock. Da junção do nome de dois bluesmen americanos, Pink Anderson e Floyd Council, surgiu na Inglaterra o grupo que se transformou em um ícone para o rock como forma de arte; o Pink Floyd se caracterizava pela preocupação com os efeitos especiais das apresentações ao vivo como complementação para sua música. Vários clássicos foram lançados pela banda, como The Dark Side of the Moon (1973) e The Wall (1979); este último rendeu também um filme homônimo, de 1984. Outra conquista do Pink Floyd foi superar a barreira entre os sons perfeitos fabricados em condições ideais no estúdio e a música forçosamente problemática das apresentações ao vivo. Eles conseguiram isso completando seus espetáculos com efeitos visuais que realçassem o clima de sua música e, evidentemente, ampliando também a formação costumeira do grupo, um quarteto. (MUGGIATI, 1985, p. 62-63) Uma das contribuições do progressivo foi a composição de “poemas tonais” para o rock, em climas sombrios, de pesadelo. Essa caracterização mais intimista para as canções contrastava com o clima de celebração do rock dos anos 60 (psicodelia). Outras bandas, como Genesis e Jethro Tull surgiram nesta época, inserindo-se no contexto das experimentações sonoras. ...o Rock parecia dominado pelo seu lado intelectual, pelo progressivo, pelo acadêmico, pelo auditivo. Não se deixara de dançar, mas sentar diante do aparelho de som e ESCUTAR tornara-se algo tão comum que o percentual de rockeiros dançantes diminuíra se comparado com o da época do rock’n’roll.

(CHACON, 1985, p. 44) Nos Estados Unidos, 1967 foi o ano de um compositor que ampliou o cenário do rock : "um músico anarquista resolve desvencilhar suas farpas contra a mediocridade da vida consumista norte-americana. O nome dele é Frank Zappa...(MONTANARI, 1988, p. 66). As influências de Zappa iam desde a música eletrônica à erudita, o que era verificável nas fusões que realizava em suas músicas: "Zappa sacode o 'stablishment', ganhando rapidamente o rótulo de 'maldito'" (id.). As experimentações de Frank Zappa eram baseadas no uso de ruídos, técnicas de colagem, percussão; ao contrário dos músicos de rock que se iniciavam pelos blues, ele freqüentava aulas de música contemporânea. Mas ainda havia muito mais para acontecer nos anos 70, que muitos, erroneamente, caracterizam como a “década em que nada aconteceu”. Outra vertente que modificou a sonoridade do rock foi o heavy-rock. Como argumenta Chacon (id., p. 39-40): Na primeira vez que alguém distorceu uma guitarra inaugurou uma outra variante do Rock que representaria sua imagem esteriotipada aos frágeis ouvidos do não-iniciado: o heavy-rock (Rock pesado), ou rock-pauleira, como é mais conhecido, quebrava com as seqüências do Rock-tipo-Beatles e atendia a um mercado mais feroz e ansioso por um batida mais violenta... O som das bandas de heavy metal existe para ser consumido, preferencialmente, nas apresentações ao vivo. As bandas se preocupam em tocar muito alto, o que já contribuiu para especulações de que o metal faria mal aos ouvidos; no entanto, isso não foi comprovado. O caso da surdez de Brian Wilson, dos Beach Boys, é um exemplo claro desta controvérsia, visto que o som da banda é relativamente calmo perto da sonoridade do metal. Vocais estridentes (ou guturais), preocupação com o visual da banda e performances ousadas nas apresentações ao vivo são outros aspectos do heavy metal. Jimi Hendrix e o Cream foram grandes inspiradores para este sub-gênero do rock. Muggiati (1985, p. 89) explica que o heavy-rock foi um subproduto do acid rock, na medida que provocava no ouvinte uma “intoxicação sonora”. Por sua vez, o Iron Butterfly (“borboleta de ferro”) foi um grupo que influenciou a denominação das bandas de heavy metal, devido à referência “metálica” em seu nome. Um importante crítico de rock, Lester Bangs (ex-editor da revista Cream) retirou o termo “heavy metal” de um romance de William Burroughs e o associou ao rock depois desta expressão ser incluída em uma música do Steppenwolf. Esta música, Born to be wild, remete ao som de um “trovão de metal pesado” e faz parte da trilha sonora do filme Easy Rider (Sem Destino), de 1969, que contribuiu para a disseminação do rock pesado. Além desta versão, existe uma outra, em que o termo “heavy metal” surgiu quando uma grande fábrica explodiu no mesmo dia de uma apresentação do Led Zeppelin. Bandas inglesas como Black Sabbath e Deep Purple se firmaram como importantes representantes do heavy metal no início dos anos setenta. A primeira recebeu esta denominação derivada da influência “satanista” para os nomes das bandas de heavy metal. Outras que despontariam anos depois também se incluiriam nesta vertente, em que composições e visual sombrios são comuns. A influência do Black Sabbath e do Deep Purple foi marcante para as décadas posteriores; muitas compilações e tributos às duas bandas foram lançados, mas o Purple continua em atividade, mesmo depois de muitas mudanças em sua formação original. O guitarrista Richie Blackmore, um dos fundadores do Deep Purple, (e atualmente em carreira-solo) foi um dos pioneiros na influência da música erudita nas canções de rock pesado - tradição que ser firmaria anos depois com grupos de heavy metal dos anos oitenta e noventa. O Black Sabbath trouxe as primeiras imagens de “morte, demônios e ocultismo” às canções de rock, além de lançar vocalistas importantes, como Ozzy Osborne e Ronnie James Dio. Este último, que havia sido teriormente vocalista do Elf (banda com inspiração no blues), depois ingressou no Rainbow, grupo de Richie Blackmore após a saída do Deep Purple. Inicialmente conhecido como Richie Blackmore’s Rainbow, este grupo com tendências ao hard rock lançou em 1976 um disco que se tornou clássico: Rainbow Rising.

Considerado um dos maiores vocalista de metal, atualmente Dio se dedica à própria banda, firmando uma carreira pós-Sabbath bem sucedida. Ozzy cantou com o Black Sabbath na primeira fase da banda; é da sua época clássicos como Iron Man e a homônima e sombria Black Sabbath. Após sair do Sabbath, em 1978, também se lançou com sua própria banda, continuando em atividade até hoje. A vida de Ozzy freqüentemente foi associada a histórias surpreendentes: Célebre pelas imagens de mutilação de animais durante seus shows, Osbourne, como reza a lenda, teria tomado dolorosas injeções anti-rábicas depois de ter arrancado, com os dentes, a cabeça de um morcego jogado pela platéia. (FRIEDLANDER, 2002, p. 381) Um grupo do final dos anos sessenta e que se destacou durante a década de 70 foi o Grun Funk Railroad. A inspiração para o nome da banda surgiu de um trocadilho com o nome de uma estrada de ferro chamada Grand Trunk and Western Railroad. Essa banda de Detroit não recebeu muito prestígio entre os críticos, mas agradou ao público. O Grun Funk abriu vários shows para o Led Zeppelin, em muitos casos, roubando a atenção da platéia. Entre os temas de suas músicas, sexo, política, religião e ecologia estavam entre os mais comuns. A inovação de suas músicas ficava por conta da utilização de instrumentos pouco comuns em grupos de rock, como violão, piano, alguns tipos de percussão e orquestra.





The Dreamers

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 22:00


Os Sonhadores

(The Dreamers)

Proibido proibir

Proibido proibir... Com essa música, Caetano Veloso levou sua primeira grande vaia durante o Terceiro Festival Internacional da Canção, em 1968. Sem poder interpretar sua música, o Cantor compositor descarregou sua raiva com um discurso verborrágico em cima da platéia ensandecida: “Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder?” “É a mesma juventude que vai sempre, matar amanhã, o velhote inimigo que morreu ontem!” “... Se vocês em política forem como são em estética, estamos feitos...” “... vocês não estão entendendo nada... Hoje não tem Fernando Pessoa...” Good times!

Década de 60, anos prolíferos em manifestações, criações culturais! Sob a barbicha do Tio Sam, cantamos “Pra não dizer que falei de flores”, ”Apesar de você...” (proibidas pela vergonhosa censura militar) nos botequins, nas escolas, nos diretórios acadêmicos, cantávamos! Líamos na calada da noite, tudo que era publicado livremente nos Países democráticos. Inclusive nos Estados Unidos, patrões dos nossos ditadores. Líamos Ignácio de Loyola, Henfil, Tolstoi, tantos outros, em páginas e páginas de pensamentos livres que passávamos uns aos outros às vezes em cópias tiradas nos velhos mimeógrafos a álcool. Vem-me uma frase do grande poeta e jornalista Antonio Maria quando teve seus dedos quebrados por outra ditadura: Vargas: “Os idiotas! Eles pensam que os jornalistas escrevem com as mãos...” Tempos difíceis...

Essa extensa introdução, apesar de verborrágica também, foi para dizer que “Os sonhadores” estão em todos os lugares vivendo os mesmos sonhos utópicos e lutando pelos mesmos ideais.

Em plena efervescência devido à demissão pelo governo francês de Henri Langlois, diretor e fundador da Cinémathèque de Paris, dona de um acervo de quase 50 mil filmes salvos dos nazistas durante a segunda guerra mundial, manifestantes protestavam e entre as palavras de ordem, estavam “Proibido proibir...”.

Nesse caos é que Bertolucci mostrando todo seu amor por Paris e pelo cinema, narra sua história. Um jovem americano vai à Paris estudar francês e conhece os gêmeos Isabelle (Eva Green) e Theo (Louis Garrel) estudante de cinema e manifestante radical. Entre cenas mais ousadas de sexo, brincadeiras, perguntas sobre cinema, cenas de outros filmes expostas no filme, os diálogos são coerentes e às vezes desconcertantes quando Theo diz que os jovens chineses aos milhares marchavam ostentando o livro vermelho de Mao, Mathew (Michael Pitt) argumenta dizendo: Sim, eles marchavam com UM livro...

Com trilha sonora que vai de Bob Dylan, Janis Joplim entre outros, Bertolucci encerra o filme de maneira soberba! Ao som de Edith Piaf em uma música dizendo: “Que não se lamenta, não se arrepende de nada...” e os policiais correndo como um estouro de uma manada, atrás dos manifestantes que como armas tinham apenas o efêmero sonho de uma revolução cultural.

Adendo: Nos Estados Unidos a censura só liberou o filme para NC-17, isso quer dizer que, lá nem acompanhado pelos pais! E se você, maior de idade, for daqueles com o gosto limitado aos novos Blockbusters da vida, deixe o filme na prateleira. Tem mais! Recatado, cheio de pudor, não suportando ver gente pelada, nem chegue perto do filme.

Yon Rique


Ficha técnica: Os Sonhadores (The Dreamers) – ING/FRA/ITA/USA – 2003 – Direção: Bernardo Bertolucci, Roteiro: Gilbert Adair – Elenco: Eva Green, Michael Pitt, Louis Garrel, Anna Chancelor, Robin Rennucci – 115 min. – censura nos E.Unidos: NC-17 (Brasil: 18 anos)


CINEMA PARADISO

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , , | Posted on 21:44




CINEMA PARADISO

Uma canção de amor ao cinema!

Cinema Paradiso (1988), obra prima de Giuseppe Tornatore já faz parte do seleto rol dos “clássicos” do cinema. Estreando em seu País de origem por duas vezes, foi um verdadeiro fracasso, mas com esta versão reduzida e definitiva, ganhou o prêmio especial do júri no Festival de Cannes e o Oscar como melhor filme estrangeiro. Cinema Paradiso, como bem disse Rubens Ewald Filho, é uma declaração de amor ao cinema! Um marco do “Novo Cinema Italiano”.

Trilha musical a cargo de Ennio Morricone, fotografia esmerada e atores de primeira grandeza fizeram com que esse filme ficasse e vai ficar marcado na lembrança dos amantes da sétima arte. Seu final é antológico! Não há como não se emocionar ao ver o presente que o velho projecionista deixa para seu amigo e pupilo. Para quem já viu, reveja. Quem ainda não o assistiu, é “dever de casa” obrigatório. Aos cinéfilos que se prezam, deve fazer parte dos chamados “filmes de cabeceira”.

Sobre Giuseppe Tornatore:

“Giuseppe Tornatore é daqueles diretores de um filme só. Depois do sucesso avassalador de "Cinema Paradiso", que ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro em 1990, o que se seguiu nunca chegou à altura deste hino de amor ao cinema. ”... (Crítica sobre o filme “Malena”).


É assim que parte dos críticos de cinema “vêem” este diretor competente. Aponte-me algum diretor (sem contar com Chaplin, Hitchcock, Bergman e mais alguns) que consegue manter a quase genialidade em suas produções. Críticas desse tipo são no mínimo levianas! Malena é um belo filme sim! O que incomoda a muita gente é quando "mexem" no universo social hipócrita dos seres humanos. Vale a pena assistir.

Do mesmo diretor: “O Homem das Estrelas" e "A Lenda do Pianista do Mar". Assistam e me digam se Giuseppe Tornatore é diretor de um filme só...

Yon Rique



Ficha técnica

Título: Cinema Paradiso

Título Original: Nuovo Cinema Paradiso

Origem: França/Itália

Direção: Giuseppe Tornatore

Elenco: Philippe Noiret, Jacques Perrin, Antonella Attiu, Enzo Cannavale, Isa Danieli, Leo Gullota, Marco Leonardi, Pupella Maggio, Leopoldo Trieste, Salvatore Cascio

Ano de Produção: 1989 – 121 minutos

Música tocando: "Io che amo solo te" Ornella Vanoni

e olhei os campos vezes sem conta

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 16:25




“Aquela criança… era apenas uma criança no meio da multidão. Era uma folha. Desde então os tempos não mudaram, ela continua apenas pousada sobre a terra na ousada esperança que a habita. Acredita na Fé que há-de chegar. Acredita que é Folha e por acreditar, a pureza ilumina-a como se fosse a filha da luz. Como os tempos não mudaram, ela, continua sonhando com as sereias que vem do mar e, continua a não acreditar na prisão que é obnóxia.
Aquela folha criança… mantêm o seu coração na subida ao céu da água e o tempo por ali não passa, e, dizem que é a eternidade a habitar. Eu digo que é seiva pura que à terra nunca há-de ser roubada!!”

NãoSouEuéaOutra

Just Be, but me Bi

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 16:20




Do longo sono secreto

na entranha escura da terra,

o carbono acorda diamante.

Helena Kolody



O Poema Da Garganta



'Ela, abre-me a boca

garganta profunda,

garganta funda.

Abismo das noites escondidas...

Soa-me amarela, sim,amar ela!

Finjo-me introspectiva, mergulhada

no oceano.

Desarrumo tudo,

palavras, conceitos ou credos

para que a linguagem me sirva.

E assim no caos

nascer pura,

e por fim, tornar-me ela mesma,

a garganta profunda,

garganta funda.

Garganta que afunda,

que perfura

que abre-se,

e que recebe o ar

de quem tudo sente

escondido no Mar.

Gargantilha de ouro

encontrada no fundo,

no fundo mais fundo do fundo das águas.

Espelho de mim,

de quem quer afundar-se

no profundo de mim...'


Poema de 21-06-2006
NãoSouEuéaOutra



...« f*da-se, o excesso de adjectivação

o correcto substantivo expressivo…

vivam os arcaísmos, metáforas e neologismos!

porque amarela, amar ela

sou garganta profunda,

garganta funda.

é esta a verdade da garganta...»...

para normal

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 16:14




«Sou espelho prismático, achatado. Não tenho cor, não tenho forma sózinho. Nada desenho na solidão. Minha boca é uma enorme abertura ilusória, que espera ver um movimento, uma presença externa para se reflectir. Ainda que venha a reflectir, continuarei a ser apenas uma ilusão projectada. Nunca serei a verdadeira realidade de quem me olha, sou apenas fragmentos de uma imaginação projectada. Não me habita problema algum, apenas sou nada. Somente apenas me torno algo desenhado, quando tu, esse vulto de linhas e formas que és se aproxima; e a tua realidade ainda que vista em mim, é apenas sonho.
Minha condição é apenas ser reflexo, memória do que foi e já não é. Sim, posso ser bastante translúcido e ao mesmo tempo opaco. Não me habita culpa alguma, porque é da minha natureza ser projecção. Nem tão pouco tenho sentimentos, apenas tu os tens quando me procuras e eu, por dádiva reflicto a tua canção. Por reflectir, sou vulnerável às tuas exigências, porque podes acabar comigo. Uma simples pedra lançada, transforma-me em estilhaços, mas a projecção não acaba, ela vai contigo; é essa a maldição dos espelhos. Apenas uma vez projectado se agrega à tua memória e fica lá eternamente.»

Da condição de ter um espelho à mão – NãoSouEuéaOutra

stromboid

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 16:11




Abre-se a boca no mais longínquo plano de uma das galáxias. Milhões de estrelas rodopiam, as forças gravitacionais fazem uma dança. Um corpo estrelar está grávido, e dentro de um segundo dará à luz, do seu ventre serão paridos milhares de novas estrelas. Um novo mundo aproxima-se, a Terra está em alerta para receber um novo Cinturão de asteróides; porque há no Universo algo que acabou de fenecer para gerar uma nova existência…

NãoSouEuéaOutra in '' visões do futuro ''

a cozinheira da vida - onde a esqueceram?

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 16:04




‘ Tu sorris com doçura, como se o teu sorriso fosse um chocolate quente que aquece o coração em noites de Inverno. Fico de boca aberta a olhar-te, como quem olha não sabe bem o quê. Mas, na maioria das vezes, eu coloco esta cara, esta cara de rezingona, mal-humorada… apenas porque sei da ilusão das coisas. Este saber dentro – ainda que frouxo e calado – sabe das coisas. Se contasse como as sei, nunca irias entender, e explicá-las seria uma tortura para mim, eu que sou uma feirante de palavras mortas e débeis. Palavras conquistadas nas feiras de aldeia em aldeia, sob o suor impregnado de sangue de quem sabe que nunca as poderá conter e fazer delas a escada para qualquer lado, a não ser para mais silêncio até nada mais existir. Dizem que é a condição de simplicidade profunda que renegou ao vício das palavras, que faz com que a voz se vá suicidando.
Se uma palavra, uma frase não salva, porque continuar a proferi-las? Se ela constrói mais guerra, porque insistir em continuar a utilizá-la? Se ela trai, porque insistir em vender esse produto e continuar fingindo que não é verdade?
Começo sem saber, que o teu riso no rosto é apenas mais um gesto irónico que revela o quanto estou condenada. Estou condenada a morrer, enquanto vejo um a um os meus assassínios e não posso levantar um dedo, porque há muito injectaram-me com anestesia e me obrigaram a ficar de olhos abertos e apagados... ‘

NãoSouEuéaOutra in ‘esquissos sorumbáticos abortados

Raio do Príncipe, transformou-se em Zeus

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 15:59


'' - Esta está boa!! Sinceramente. Digo mesmo!! Mas é mesmo! Nem tiro o ponto e muito menos as exclamações.
- Atão porquê, oh Senhora Comadre?
- A Senhora se recorda daquele peralta tão elegante que tinha chegado aqui ao vilarejo? Deixava um rastilho de perfume cheio de feromonas que até as beatas ficavam a dançar que nem baratas tontas?
- Sim, sim Senhora Comadre. Ele chegou aqui uns dias depois de a Senhora ter chegado de Cascais. Até trazia uns óculos enfaixados na cara, quase jurei que era uma mosca gigante.
- Pois é… ele mesmo. Sabe que o danado ia quase todas as noites espreitar a janela do meu quarto!!???
- Não me diga?!
- Acredite!! Uma noite destas apanhei-o encostado demais à janela. Parecia uma lapa. Que no dia seguinte, vi-me a trabalhos para limpar as janelas, claro os vidros.
- Atão porquê?
- Pastilhas elásticas. Fiquei tão irritada, que naquela manhã resolvi o assunto. Tive uma ideia que não podia falhar.
- O que é que a Senhora Comadre aprontou?
- Fui ao fundo da rua, aquela que cruza com ‘ Ai Que Estou Aqui ‘ e a ‘ Nem Penses Pisar o Risco ‘, e, tomei a decisão de comprar a minha ideia. Regressei a casa, preparei tudo e esperei.
- Esperou? Atão porquê?
- Porque tinha de ver para crer. Às 00h.30m lá estava ele na janela. Só que desta vez, em vez de ficar como uma lapa, caiu dentro do quarto. Ficou agitado por momentos. Levantou-se e olhou ao redor, percebeu que o corpo na cama não se movera. Vi-lhe um sorriso sádico. Abaixou as calças para… e heis que o Príncipe, arrebentou.
- Arrebentou?
- Sim, a boneca era mesmo inteligente. Abocanhou de tal forma que explodiu e só restou raios. Soube agora, que anda por Montemor – o – Novo transformado em trovões e raios. Assenhorou-se de um certo castelo e se julga Zeus.
- Atão é por isso que não o vejo e faz dias.
- Nem mais. Só tenho é pena das beatas. Elas andavam tão felizes… ‘’


NãoSouEuéaOutra in - '' Esquissos Loucos ''Justificar completamente

Encruzilhada das Flores

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 15:54

«... tinha um nome estranho, mas era composto de um sorriso, como aqueles que pertencem aos grandes aguaceiros. conseguia desmembrar uma membrana na mais tímida face das raparigas.estas resplandeciam diante de cada gota que lhe caía da fronte, como se contivessem a mais poderosa força de atracção molecular. sapos e osgas repetiam os sons do festim quando elas murmuravam risos adornados de olhares ruborizados ...»

NãoSouEuéaOutra

Land For Men

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 15:50

... batuca no chão, o grito soa!!! voam pássaros, são os pés do Homem. uma Terra à espera. à espera de liberdade, e, a boca do Homem está tremida, não sabe dizer STOP...

Sintra

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 15:46



... o ruído era grande. voavam pelos telhados. era Sintra, disseram!!! aquela ''coisa'' enorme devorava Sintra. disseram que era uma Colina, também!!!! que a pé, nunca lá se chega. que comem-nos os pés, em especial os dedos, quando se começa a caminhar a subir. dizem que é enorme. a Boca. há Princesas e Príncipes. dizem que ela se atirou. voou. dizem que era tristeza. nada ali é pequeno. tem coisas cosidas nos lábios. podem crer que ali está um frio dos diabolos...

NãoSouEuéaOutra in ''Nada''

Ataque Flash

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 15:40



Sentou-se numa rua qualquer, era tardezinha… não como uma outra qualquer. Esta tinha um sabor diferente… tão diferente que soube, ali mesmo soube, a verdade crua das fachadas. Pela primeira vez correu sangue dos seus olhos… a verdade é a mais crua de todas as mentiras – ainda que estas, também, façam doer – e quando pressentida é como um tractor lavrando com o arado a terra do corpo.


Num grito vociferou, ‘ não me cuspam mais na cara!’

(NãoSouEuéaOutra)

Flower

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 15:28

"...a teia da Primavera desprende-se nas pálpebras... ....A luz irrompe em lugares estranhos, nos espinhos do pensamento onde o seu aroma paira sob a chuva; quando a lógica morre, o segredo da terra cresce em cada olhar e o sangue precipita-se no sol; sobre os campos mais desolados, detém-se o amanhecer. ''

Cintia Thome - Olhos De Folha Minha

o comum da vida, num click rápido

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 15:18


(...) todos eles tem botões e nem o sabem; esquecem diáriamente uma rotina que está entranhada até aos ossos. também os passos são diferentes e o balançar do quadril também, e nem se apercebem. os homens querem-se grandes, mas um carro pequeno cabe em todo o lado e até tem brilho, mas eles não vêem, sonham alto. todos colocam as mãos nos bolsos, não sabem o que fazer com elas e até disso não se apercebem. talvez estejam segurando os nós dos dedos! o comum da vida é que basta um click para memorizar um traço da parca existência das coisas que todos esquecem. (...)

NãoSouEuéaOutra in '' aqueles ''

Infinito!!Onde?

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 15:09





(...) sou a mais preta das pretas sou negra negra nada me vê e tudo o que vê se assusta sou muito longa longa e negra negra olhos enormes tão grandes que nem o infinito consegue me engolir meus cabelos são serpentes são serpentes longas longuissimas compridissimas enroladissimas por vezes (...)

parte de uma crónica composta por vários capítulos escrita por NãoSoueuéaoutra

Where We Belong??? Behind the Light!?

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 14:36


(..) onde está o sagrado, está o profano! Onde está a mentira, está a verdade. Levanta a perna de Baphomet e saberás?! (...)

no trespassing

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in , | Posted on 14:24



Colhe ó Musa

Colhe ó Musa
Palavras de algodão
Nos campos da poesia

Desfia bem a matéria prima
No peito da inspiração
E para ter a certeza da sua imaculabilidade
Passa-a pelo banho da sensibilidade
Para extrair todo o supérfluo, o impuro

Segura firmemente o fio da fantasia
Nos dedos da imaginação
Porque a roca da escrita está pronta
Para fiar o poema;

E o Poeta, ansioso para o tricotar...

Tricota Poeta, tricota
Os fios de palavras
Que a Musa te deu
Que se cruzam e descruzam
Na ponta das agulhas da magia da poesia
Que rimam, que cantam melodias
Nos dias em que ouves guitarras
A tocar dentro de ti

Veste o poema de suavidade
Com um manto de calor doce
Como se eternamente fosse
Domingo à tardinha num fim de Verão
Nos olhos de quem lê...

(Carmen Cupido in "Corpo do Poema")

Párphasis versus Phtónos

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 10:50

não sei

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 10:45




Cobra-me a Razão De Mim, Maldita Fortuna Surda

noveless - barbie choc

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 10:44

Lifting

Posted by NãoSouEuéaOutra | Posted in | Posted on 10:35




(…) Sou feita de carne. Garantia total!! Garanto-vos!! Sou a obra acabada de um grande escultor de formas humanas. Fiz um enxerto de metacrilato e não só, diria antes quase um total “greffe du visage”. Perguntam-me: “ Estás feliz?” Respondo-lhes: “ Do mais fundo das minhas tripas humanas, garanto-vos, que hoje sinto-me a mais feliz das mulheres que já fui.” Os espelhos já não me traem, eles me revelam exactamente aquilo que sou. Este rosto de porcelana, luzente, simétrico. Hoje, não me habita a lágrima da feiura, a lágrima do desencontro. Hoje, sou uma mulher totalmente remodelada. O futuro já não me habitará, eu sou o já futuro do passado antigo sublimado à condição de eterna juventude. (…)

in "Tendências do futuro da carne “ – NãoSouEuéaOutra



[...] O rosto fala... Desfaz a cada momento a forma que oferece. - Emmanuel Lévinas

boca e o nariz, e antes de tudo os olhos, não se tornam superfícies esburacadas sem convocar todos os outros volumes e todas as outras cavidades do corpo. Operação digna do Dr. Moreau: horrível e esplêndida.
A mão, o seio, o ventre, o pénis e a vagina, a coxa, a perna e o pé serão rostificados. - Gilles Deleuze [...]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...